segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Reboot de Mortal Kombat no cinema pode estar mais perto do que parece


Segundo o Site Tracking Boarding, a New Line Cinema já possui um plano para criar um reboot da série nas telonas, chegando a propor a James Wan ( Diretor de Velozes e Furiosos 7, Aquaman e diversos filmes de terror como Jogos mortais e invocação do mal por exemplo) que dirigisse o tao aguardado filme do Mortal Kombat.

 O roteiro ficará por conta de Dave Callahan (Os mercenários) e Oren Uziel, o mesmo responsável pelo Mortal Kombat Legacy, Web-Série do youtube baseada na franquia.

Em uma análise rápida sobre essas informações pode-se elevar as expectativas pelo fato do diretor cogitado ser familiarizado com temas "macabros" e "violentos" devido suas direções anteriores de filmes de terror, bem como sua direção em Velozes e Furiosos, se mostrando também um bom diretor de ação. No roteiro não há muito o que reclamar graças a volta de Uziel. Entretanto, nem tudo são flores, tendo em vista que o Tracking Boarding também afirmou que a New Line além de fazer um filme sombrio (o que é ok), pretende se distanciar da mitologia dos jogos. Já vimos isso acontecendo antes em outros filmes de outros jogos e não possui exatamente um histórico de sucesso.

A série de jogos tem tomado um rumo interessante na história desde o MK 9 (2011), sendo apresentado de forma cinematográfica. Neste ano tivemos filmes de jogos e ainda teremos, e pode-se dizer que hoje, essas produções baseadas em jogos têm melhorado muito com relação às produções anteriores, devido até mesmo ao comprometimento dos estúdios de cinema junto com as próprias desenvolvedoras dos jogos. Basta esperar que a New Line não nade contra essa maré.

A melhor notícia que se poderia ter com relação a produção desse filme, seria o auxílio da Netherrealm Studios (Atual desenvolvedora dos jogos do MK) na produção do filme.

Tudo mais, basta aguardar por novas notícias e esperar que sejam boas. Devemos manter nossas esperanças vivas de que algo bom pode sair dessa produção.

0 Comments: